terça-feira, fevereiro 07, 2006

Mesmo com o surto, o vazio

"Todas mil palavras desconexas
são baús de controvérsias
que consigo interligar

Por fora podem não fazer sentido
se só firmam compromisso
com quem as ousa lançar

Pra quê juntar as letras ao acaso
se o homem, prato raso,
não consegue se expressar?

Talvez a tentativa seja o grito
solto pra quebrar o mito
disso tudo se acabar.."

3 comentários:

Marie disse...

Oi... aki é a Marie, vc comentou no meu blog lembra???? Eu fikei de te pedir o conto q tu escreveu... Manda pra mim??? Meu email é emergenzadamore@hotmail.com

Eu gosto basicamente de Leminski e Camões.... Amo Leminski e Camões de paixão! E adoro Dostoiévski...... Gosto um pouco de Pessoa também....
Bacioni!

Saulo Boyna disse...

Oi, gostei muito do teu site e também do seu trabalho no Livro Mosaico.
Sou um dos autores também, escrevi "nas batidas do violão"
dá uma passada em http://sauloboyna.zip.net
tem algumas coisas minhas lá também.
Um abraço!!!!

Gustavo Chaves disse...

olá, parabens pela poesia, adorei a sua poesia do Mosaico, é uma enorme satisfação ter uma poetisa como você publicando no mesmo livro que eu, ah meu poema no mosaico é o "Blackout"